Pensamentos constantes: um inimigo interno

Hoje tive um insight e na hora comecei a escrever para não esquecer de partilhar com vocês. Escutamos sempre que precisamos desacelerar para pensar com calma e que pensar, refletir, sempre vai nos trazer a melhor resposta. Não!!!! Pensamentos em excesso não ajudam!!! Nossa, Fabi…agora você me confundiu. Já me explico gente 🙂

Trazer para o racional é bom. Trazer concretude para o seu momento é ótimo. O problema é quando você tem pensamentos NEGATIVOS recorrentes. Sabe? Aquele pensamento que parece uma voz negativa, crítica, que fica te azucrinando. Não vai me dizer que isso nunca te aconteceu. Porque comigo já aconteceu muitas vezes. Acontece que pensamentos repetitivos geralmente geram uma sensação, uma emoção na gente. E as emoções alimentam os nossos pensamentos. É como um efeito dominó. Algo acontece e lá vem de novo aquela voz te atormentando, dizendo que não vai dar certo, que é loucura tentar, etc.

Vou te contar um segredo: TODO mundo tem essa voz. No coaching, em muitos métodos, chamamos ela de crítico interno. Aprender a calar esse crítico interno faz toda diferença na sua vida. Não sou budista, mas já li sobre o tema. No budismo, recomenda-se muito a meditação. Por que? Porque meditar é calar o pensamento. E quando a gente cala o pensamento, não tem emoção negativa associada! Tá aí uma explicação simples que nos ajuda a entender os benefícios da meditação, principalmente para pessoas ansiosas, por exemplo. A psiquiatria inclusive já reconhece os benefícios do mindfulness em diversos transtornos.

Independente de você ter ou não ansiedade ou qualquer transtorno, tenho certeza que você vai ter benefícios ao calar essa voz crítica que te coloca pra baixo invés de te motivar a ser você em sua plenitude.

Aí você pode me dizer: Bom, Fabi, agora eu quero saber como calar essa voz de vez! Tenho 2 notícias pra você: uma boa e outra nem tanto rsrsrs. A boa é que sim, dá pra calar essa voz. A nem tanto é que não é receita de bolo, não tem mágica. Existe um método para calar essa voz, e faz parte do processo de coaching (pelo menos do que eu aplico). Mas para não te deixar na mão, a dica que quero partilhar é que você comece a prestar atenção nessa voz. O que ela te fala, quando ela te fala? Tem momentos que ela fala mais alto? Dá um nome pra essa voz. A minha eu chamo de Magda e quando ela quer dar pitaco sem ser chamada eu mando ela calar a boca. Para neutralizar um inimigo primeiro a gente precisa ter consciência dele.

Depois me conta se você gostou desse texto que eu escrevo mais sobre esse tema!

Beijocas da coach

Compartilhe!

Deixe uma resposta